Tuesday, October 03, 2006

Index 3

Links to this post

Fechando a quinzena! Proxima estreia dia 11 de Outubro! Ate la!

O Povo e o Livro

Links to this post


EULÁLIO DE SOUZA SALÃTHIEL E A POLÍTICA

O nome expresso no título deste artiguete poderia ser o de um histórico parlamentar brasileiro, exemplo para os atuais congressistas, no momento, tão desprestigiados junto a opinião pública. Mas não é. Na verdade, trata-se de uma personagem ficcional, chamada ao longo da narrativa também de Lalino ou, simplesmente, Laio. E nem é político: entretanto, a seu, modo, influencia os rumos da disputa eleitoral do lugar de onde proveio.

Tal personagem encontra-se na novela Traços Biográficos de Lalino Salãthiel ou A volta do marido pródigo, que integra a obra Sagarana*, de João Guimarães Rosa.

Lalino é um malandro; contudo, um malandro roseano, o que faz toda a diferença. Assim ele é descrito:

“Lalino Salãthiel vem bamboleando, sorridente. Blusa cáqui, com bolsinhos, lenço vermelho no pescoço, chapelão, polainas, e, no peito, um distintivo, não se sabe bem de quê. Tira o chapelão: cabelos pretíssimos, com as ondas refulgindo de brilhantina borora.”

Morador de cidade pequena, do interior de Minas, decide ampliar horizontes e zarpa para o Rio de Janeiro. Entre sucessos e percalços (rapidamente descritos pelo narrador) retorna à localidade de origem e aí é que se mete na politicagem sem, todavia, procurá-la conscientemente.

Com sua habilidade para inventar historietas e patranhas, cai nas graças do Major Anacleto, mandante poderoso na região e do Tio Laudônio, espécie de “eminência parda” do major. Era o cabo eleitoral perfeito para convencer eleitores e apoiadores em um ambiente em que os “coronéis”, chefes políticos de feição paternalista, precisavam construir laços de adesão duráveis - pelo menos até o fim das eleições.

A volta do marido pródigo destoa da maioria dos escritos de Guimarães Rosa por ser muito bem-humorado: encontra paralelo, talvez, apenas em Corpo Fechado, outra novela de Sagarana, que é igualmente alegre.

Certamente, percebe-se, na pequena saga de Lalino, o esmero roseano típico para escolher a palavra exata: por exemplo, neste maravilhoso trecho, no qual se mesclam ironia e crítica à política nacional:

“Major Anacleto relia - pela vigésima-terceira vez - um telegrama do Compadre Vieira, Prefeito do Município, com transcrições de um outro telegrama, do Secretário do Interior, por sua vez inspirado nas anotações que o Presidente do Estado fizera num anteprimeiro telegrama, de um ministro conterrâneo. E a coisa viera vindo, do estilo dragocrático-mandológico-coactivo ao cabalístico-estatístico, daí para o messiânico-palimpséstico-parafrástico, depois para o cozinhativo-compadresco-recordante, e assim, de caçarola a tigela, de funil a gargalo, o fino fluido inicial se fizera caldo gordo, mui substancial e eficaz, tudo isto entre parênteses, para mostrar uma das razões por que a política é ar fácil de respirar - mas para os de casa, que os de fora nele abafam, e desistem. [grifo meu]

Eulálio de Souza Salãthiel, conhecido como Lalino, mulato tocador de violão, envolvido no processo eleitoral quase que por diversão, não respira esses ares. No fundo, ri dos políticos, porque percebe o quanto há de manipulação nesse meio. E salva-se. E parece ser isso o que nos aconselha essa narrativa, publicada em 1946: afastamento crítico dessa atividade que já foi definida como “ a arte do possível”

*ROSA, João Guimarães. Sagarana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.


Halem Souza (Quelemén)
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Sou "um hóspede do tempo"(Zélia Duncan).Mas enquanto não passo, vou contando e lendo histórias na biblioteca em que trabalho

Canto de Nana

Links to this post

O ÚLTIMO COMÍCIO
Por Nana de Freitas



O último comício tinha terminado e agora era escapar da multidão o mais rápido possível - sorridente, sempre sorridente, claro - e ir pra casa tomar um porre. Um copo? Não, um porre mesmo, daqueles de terminar soluçando as mágoas passadas abraçado ao Deca - não o Deca da Ritinha, amigo dos tempos de pelada na várzea, mas Deca mesmo, marca registrada, louça de banheiro.

Enquanto não atingia a glória de vestir apenas meias e cuecas absurdamente embriagado, esforçava-se para vencer o “povão” com as banhas adquiridas ao longo dos 40 anos na política. “Se tivesse chegado aqui ainda jovem, sem essa pança que nem vi crescer, já estaria em casa”, pensava, enquanto distribuía sorrisos, beijos e apertos de mão pelo caminho.
“Lysol”, ouvia aos sussurros no fundo da mente. Era recorrente. Tinha vergonha daquele pensamento, mas não conseguia mais se livrar dele desde que alcançou o sonho de assinar a TV a cabo. A primeira semana foi, providencialmente, de férias e o controle remoto da operadora nunca teria imaginado trabalhar tanto. Numa das zapeadas, parou no Discovery Channel - “Discovery Channel” repetiu sozinho várias vezes, achando bacana lembrar o nome para contar aos amigos na sinuca de sexta. O programa falava sobre microorganismos que causavam doenças e sua comum presença nas mãos em maior número até que em vasos sanitários regularmente higienizados. No intervalo comercial - nada o convencia de que aquilo não tinha sido proposital -, Lysol, o tal spray para jogar no chão, na privada e em tudo mais que causasse engulhos, a fim de que o bebê pudesse engatinhar livremente pela casa, a salvo das ameaçadoras bactérias produzidas em animação.

Não precisou de mais nada para que ele deixasse a poltrona, sentindo as vísceras em pandarecos, e corresse ao banheiro para dissolver metade do Lux branco na insistente lavagem das mãos. Voltou à poltrona rindo de si mesmo, mas a consciência da neurose recém-adquirida não lhe suavizou a alma, tampouco lhe privou do hábito, inicialmente diário, de higienizar-se à exaustão, da ponta do dedo médio até o nó dos cotovelos.

Deixava o lavabo feliz, mãos limpas em toda conotação que isso podia representar. Curiosamente, com a carreira política se consolidando no mesmo período, foi aí que, de fato, começou a sujá-las, tanto na caça aos votos - literalmente, se esfregando com freqüência às bactérias do amigo eleitor - quanto na caça às verbas - se sentindo, ele próprio, bactéria a tecer conchavos em mãos alheias.

“Lysol”, pensou de novo quando o idoso enrugado e maltrapilho conseguiu arrancar-lhe o último aperto de mão da noite. Quando o hábito da obsessiva limpeza passou a se repetir por quatro, cinco vezes ao dia, uns três anos depois de assistir ao Discovery Channel, foi que a voz do intervalo comercial lhe gritou à mente: “Lysol”. Desde então, o borrifador sanitário se tornou companhia constante. Disfarçado pela patroa em discretos recipientes, o milagre que livrava o bebê dos monstros invisíveis garantiria sua ascensão política, seria sua verdadeira “imunidade parlamentar”.

Entrou no carro, sacou o aerosol ao estilo John Wayne - como gostava de fazer quando ninguém o via - e se deliciou com o assassinato dos milhões, bilhões, trilhões, talvez, de seres microscópicos que acabara de adquirir no último corpo-a-corpo antes do pleito. Sentia-se invencível, intocável, incontaminável. “Incontaminável”, repetiu alto, atravessando uma sonora gargalhada que veio junto com a lembrança das últimas pesquisas de intenção de voto.
“Falou comigo, presidente?” A voz do motorista foi a última coisa que ouviu. O “Incontaminável” gargalhado alto contaminou a atenção do Oswaldo. Preocupado em atender o presidente, ignorou a placa que ordenava a parada no cruzamento.

As equipes de resgate chegaram em sete minutos. Sete minutos contatos no relógio de Oswaldo, que, além do susto, nada sofreu. O presidente, por sua vez, não respirava. E Oswaldo tentava lembrar quanto tempo uma pessoa podia ficar viva sem respirar, puxando pela memória uma antiga conversa com a filha enfermeira. “Dois ou dez minutos?”, se perguntava enquanto vigiava o relógio. O médico da ambulância constatou o que os curiosos que se amontoavam no local já sabiam. “Morreu o presidente”, disparou em onda a notícia. Primeiro como um telefone sem fio de tremendas proporções, cada curioso avisando ao outro, e ao outro. Buxixo em andamento crescente, de andante a allegro maestoso, na medida em que avançou na multidão.
“’Bolero de Ravel’, foi o que ele disse antes do acidente. Ria muito e gritava ‘Bolero de Ravel’”, afirmou Oswaldo à primeira equipe de reportagem que conseguiu entrevistá-lo, reproduzindo exatamente como lhe soou o mix de “incontaminável” com as gargalhadas roucas do presidente. Quarenta segundos depois da fala de Oswaldo irromper via satélite, emissoras de rádio e TV já reproduziam o bolero, em back ground, como uma espécie de “Tema da Vitória”.
Dia cinzento, o país foi às urnas em luto. A vitória era certa. O futuro, nem tanto. Enquanto ouvia conhecidos e desconhecidos citando casos agora históricos do presidente, a viúva botava fora, na pia, o conteúdo dos recipientes com aerosol preparados para aquele dia. Ao fundo, o insistente e majestoso Ravel. “E o filho da puta me garantiu que gostava mesmo era de pagode”, pensava ela, aos prantos, carcomida pela descoberta da última e definitiva traição do marido. “Agora vou ter de ouvir essa merda até o fim dos meus dias!”

Pra que serve o amigo?

Links to this post

Segura o tranco
Por Helena Vasconcelos (Cidadania Cultural)

Pra que serve um amigo... Pra tanta coisa... não é? Para instalar um programa no computador e não cobrar nada, mesmo perdendo horas e horas a fio! Para trazer muamba do Paraguai e quase ser preso! Para emprestar o carro e devolvê-lo com multa... e 21 pontos na carteira. Pra rachar a gasolina, emprestar a prancha, recomendar um cd, dar carona para festa, passar cola, caminhar no shopping, segurar a barra. Todas as alternativas estão corretas, porém isso não basta para guardar um amigo do lado esquerdo do peito. A amizade é indispensável para o bom funcionamento da memória e para nossa integridade. Um amigo não racha apenas a gasolina: racha lembranças, crises e choro, experiências. Racha a culpa, racha segredos. Um amigo não empresta apenas a prancha. Empresta o verbo, empresta o ombro, empresta o tempo, empresta o calor e a jaqueta. Um amigo não recomenda apenas um cd. Recomenda cautela, recomenda um emprego, recomenda um país. Um amigo não dá carona apenas para festa. Te leva para o mundo dele e topa conhecer o teu. Um amigo não passa apenas cola... Passa contigo um aperto, passa junto o reveillon. Um amigo não caminha apenas no shopping. Anda em silêncio na dor, entra contigo em campo, sai do fracasso ao teu lado. Um amigo não segura a barra, apenas. Segura a mão, a ausência, segura uma confissão, segura o tranco, o palavrão, segura o elevador. Duas dúzias de amigos assim ninguém tem. Se tiver um, amém!

Convite ao Nosso Yahoo Grupo! Participe e debata!

Povo do Reação Cultural, Agora com uma gestão modernizada e o uso da mais alta tecnologia, contamos com um grupo de discussão pela internet. Pelo grupo, além de receber as tradicionais edições do Reação Cultural, o internauta também poderá debater melhor algumas questões, além de conhecer novos contatos. Para se cadastrarem, basta enviar um e-mail em branco para reacao_cultural-subscribe@yahoogrupos.com.br e faça parte do nosso grupo. Atenciosamente. Reação Cultural Editores

Os Imperdiveis!
Leia o Monblaat!
Maiores detalhes, escreva ao Fritz Utzeri

flordolavradio@uol.com.br

Leia a Zine do Pirata!
Para receber por email, escreva ao Pirata

diariopz@uaivip.com.br

Visite seu blog acessando a:

www.zinedopirata.blogspot.com


Leia O Lobo (Fausto Wolff)

www.olobo.net